Top 5 história de pâtisseries

A- A+

Nós falamos semana passada das comidas de boulangerie, hoje vamos falar de 5 histórias muito legais sobre algumas famosas pâtisseries francesas.

Está na dúvida do que você pode comer em uma pâtisserie? Nós te ajudamos. Fizemos um top 5 das melhores sobremesas encontradas nas Pâtisseries, suas histórias e onde comê-las em Paris!

 

Baba au rhum

baba au rhum

via Next Libération

Devemos agradecer essa receita ao Rei da Polônia, Stanislas Leszczynski. Conta a história que no século XVIII estando exilado na França, na região de Nancy, cansado de comer Kouglofs, que o lembrava um bolo seco que tinha em seu país o Babka, pede ao cozinheiro que inove. O boulanger então rega um brioche com um licor de uvas feitos na região de Malaga na Espanha, o perfuma com açafrão e combina com crème pâtissière com uvas passas. O rei adora a receita e a apelida de “ali baba”, porque comê-la o fazia lembrar dos contos da “Mil e uma noites”.

O pâtissier mais tarde a serviço do rei da França abre uma pâtisserie, a  « Pâtisserie Stohrer » em Paris, onde melhora a sobremesa a embebendo de rum, a fazendo, com isso, ficar famosa em toda a França.

Se você quiser experimentar um Baba au Rhum em seu local de criação, a pâtisserie de Stohrer ainda existe e está localizada na 51 Rue Montorgueil.

 

Tarte Tatin

tarte tatin

Com apenas 5 ingredientes é possível fazer a maravilhosa Tarte Tatin: maça, açúcar, manteiga, farinha e uma pitada de sal. A origem dessa receita se dá em uma pequena cidade a 200 km de Paris, Lamotte-Beuvron, precisamente no Hotel Tatin, comandado pelas duas irmãs: Stéphanie e Caroline Tatin. Caroline era encarregada de receber os hóspedes e Stéphanie cozinhava.

A história conta que na verdade a Tarte Tatin nasceu de um erro. Um dia Stephanie, esqueceu de colocar a massa em baixo das maçãs antes de colocá-las no forno, sendo assim pensou em uma saída rápida para esse infortúnio: colocar a massa por cima das maçãs, assim quando ela virasse a torta, tudo ficaria certo.

Outra versão menos romanesca da história conta que na verdade a tarte tatin já era uma especialidade da região e que as irmãs só foram responsáveis por deixá-la famosa. Independente de qual versão da história é a oficial, a Tarte Tatin continua sendo maravilhosa.

Em Paris você pode degustar de uma das melhores Tartes Tatin da França na Ladurée.

 

Macarons

Via Philippe Gourmet

 

A primeira receita de macarons data de renascença, o aumento do comercio marítimo aumenta a importação de amêndoas na Itália. A farinha de amêndoas é o ingrediente principal quando a receita é criada na Itália em 1500. Em 1533, o macaron chega na França graças a Catherine de Médicis que vira rainha da França e esposa de Henri II. Com o passar do tempo, o macaron ganha notoriedade fora da capital, cada cidade se aventura na receita criando suas próprias receitas tradicionais.

Um dos lugares onde você pode comer um dos melhores macarons de Paris é na Pierre Hermé.

 

 

Saint Honoré

saint honoré

via L’express

Saint Honoré é uma das grandes criações do século XIX, criada precisamente em 1847 por Chiboust, um chef parisiense da pâtisserie Place de La Bourse. Essa pâtisserie é típica de Paris e foi criada como uma homenagem a um santo que leva o mesmo nome: Saint Honoré.

A pâtisserie é constituída de uma base de massa folhada assada, recheada com creme Chiboust no centro e adornadas com choux (as nossas carolinas) caramelizadas.

Para comer uma ótima Saint Honoré vá até a Dalloyau.

 

Éclair

éclair

via M Capital Partners

A éclair é um grande patrimônio nacional da pâtisserie francesa. Ela é motivo de orgulho para muitos franceses e é encontrada em obrigatoriamente quase todas as pâtisseries francesas.

O responsável por criar a éclair é o grande chef  Antonin Carême. Em 1830, a receita era feita com pâte à choux e envolta em amêndoas. Contudo, ela foi modificada posteriormente. Carême começou suprimindo as amêndoas e as substituindo por açúcar derretido. Para torná-la ainda mais apetitosa, o chef teve mais tarde a ideia de a rechear com geleia de damasco ou com crème pâtissière de café ou chocolate.

O nome éclair vem 20 anos mais tarde, depois da morte de Carême. Segundo a história o nome vem de uma brincadeira que dizia que a éclair era tão boa que se comia tão rápido como um relâmpago: “cette pâtisserie est si bonne qu’elle s’engloutit en un éclair. Porém, não se sabe se essa história é verdadeira.

Para experimentar as melhores éclairs de Paris vá até a fábrica da Éclair de Génie.

 

 

Ficou com vontade de experimentar essas pâtisseries? Já conhecia? Qual sua preferida? Compartilha com a gente.

Comentários