Chocolate na Bélgica

A- A+

Chocolate e belga são daquelas palavras que vão tão bem juntas que depois de viver essa experiência, fica difícil de lembrar que existe chocolate de outros lugares. Para os belgas, o que pra gente é colocado no patamar de “chocolate belga” vira simplesmente “chocolate”, já que é o parâmetro com o qual se acostumaram, e qualquer sobremesa, bolinho ou tablete, é feito com o chocolate da melhor qualidade.

Já contamos um pouco dos melhores chocolates parisienses. Hoje vamos trazer para vocês as marcas consideradas as melhores do mundo! Uma dica, se você mora em São Paulo, confira essa lista de 5 locais para comer chocolate belga!

A invenção da Praline

A Bélgica carrega essa reputação devido a invenção da praline, uma espécie de trufa que pode vir em vários formatos, e com diversos tipos de recheios, alcoólicos ou não. Foi o suíço Jean Neuhaus que, em 1912, concebeu o chocolate praliné em Bruxelas, que revolucionou a confecção de chocolates no mundo inteiro. A casa de chocolates belga que carrega seu nome existe até hoje, conhecida como uma das melhores do mundo.

Não à toa, o formato mais popular de venda dos melhores chocolates belgas é o praliné, em caixas retangulares ou redondas. As marcas mais conhecidas entre os brasileiros são a Leonidas, a Godiva e a Callebaut, por serem revendidas no Brasil.

Leonidas

Fabricando chocolates a partir de ingredientes 100% naturais há mais de 100 anos, Leonidas é uma das marcas belgas com maior atuação internacional, com 1.400 lojas em 52 países. São mais de 100 variedades de chocolates produzidos a partir de métodos tradicionais, que garantem sua qualidade..

Godiva

Em 1926, o chocolateiro Pierre Draps criou um novo conceito de pralines no seu atelier, em Bruxelas. Constatado o potencial de sucesso dos chocolates, foi aberta a primeira loja Godiva, cujo nome homenageia a antiga lenda inglesa Lady Godiva, por sua generosidade e paixão.

Os chocolates combinam sabores excepcionais com texturas especiais. Apesar da tradição secular, a marca virou referência de sofisticação e inovação, e hoje está presente em mais de 100 países no mundo todo.

Jean Galler

A marca de prestígio internacional Galler foi criada em 1976 por Jean Galler, e oferece uma gama extensa de produtos de alta qualidade: bastões forrados, tabletes, línguas de gato, pralines, cremes de chocolate, ovos de chocolate, entre outros.

Os critérios que a empresa se impõe são os mais rigorosos: seus produtos são confeccionados a partir das melhores matérias primas, como a baunilha natural (50 vezes mais cara que a artificial) e frutas secas de maior qualidade.

Belvas

Ganhadora do prêmio de microempresa mais ecológica da Europa, a marca Belvas produz trufas e pralines 100% orgânicas, e com ingredientes provindos do comércio consciente e sustentável. Ela é conhecida não só pelo gosto de seus chocolates, mas também pelo seu compromisso social.

Côte d’Or

Minha preferida pessoalmente, a Côte d’Or é provavelmente a marca de chocolates mais popular entre os jovens belgas. O motivo: mesma qualidade dos anteriores, mas com preços mais acessíveis e disponíveis em qualquer mercado, na Bélgica. Sua história, por outro lado, não é tão nobre uma vez que a princípio, os chocolates eram produzidos a partir  do cacau extraído da “Costa do Ouro” (Côte-de-l’Or), atual Gana, proveito da colonização europeia. O primeiro tablete foi produzido em 1911 e desde então a marca desenvolveu sua expertise, inclusive em chocolates meio amargos ou até em 100% cacau.

Em 1980, a empresa foi vendida para o grupo multinacional estadunidense Mondelez. Não obstante, a qualidade e expertise belga dos chocolates foi preservada.

Callebaut

Em 1911, no vilarejo belga de nome Wieze, foi criada a primeira receita de chocolate por Octaaf Callebaut. O sucesso foi tamanho que em 1960 começaram as primeiras exportações do produto para outros países, consolidando a confiança dos produtores regionais no chocolate belga. Atualmente, a marca exporta para todos os continentes, inclusive para o nosso. Poucas pessoas sabem, mas quando consumimos “chocolate belga” no Brasil, é graças a marca Callebaut.

 

Se chocolate e língua francesa tem tudo a ver…

Para aprender a fazer essas delícias, conheça o CFOL – Curso de Francês Online, a plataforma virtual do Grupo IFESP, que oferece um módulo específico de gastronomia francesa!

Comentários