Brechós parisienses recebem visitas de artistas

A- A+

Se você visitar um brechó parisiense, não se admire se cruzar com a cantora francesa Liane Foly à procura de mais um objeto dos anos 50 para decorar sua casa, ou se encontrar Alain Ducasse, reputado chefe de cozinha e dono de dois restaurantes parisienses, garimpando um brechó à procura de um objeto Art-Déco, ou ainda sentir a alma do Pablo Neruda vagando sobre os visitantes para disputar outras quinquilharias.

“Marché aux puces”, ou Mercado das Pulgas de Paris teve início no século XIX, quando mercadores recolhiam panos e objetos velhos jogados na rua para vendê-los nos portões de Paris. Hoje os brechós são visitados por artistas, parisienses, turistas, colecionadores, lunáticos, artesãos e quem mais quiser.

O de Saint-Ouen, localizado na Ponte de Clignancourt,  é considerado o maior do mundo, com cerca de 1.000 comerciantes da moda, artesanato e roupas de ocasião e aproximadamente 2.500 antiquários e velharias. Se chegar pelo Metrô da “Porte de Clignancourt”, por exemplo, estará no mercado “le Plateau”. Continuando a sua caminhada terá duas escolhas, ou em direção ao Michelet, ou ao mercado da “rue Jean Henri Fabre”.

Garimpagem

Os brechós expõem todos os fins de semana grandes variedades de produtos: sapatos, vestimentas, artesanato, móveis de loja, bares estilo parisiense, ornamentos de jardim, decoração anos 30, 40, 50, 70 e se disputam pela Arte Naif. Se tiver paciência para garimpar, encontrará objetos esquisitos, engraçados ou inusitados. Mas é preciso fuçar, pesquisar, perguntar.  E não se preocupe em usar a sua alma turca para pechinchar porque ali sim é permitido.

O Saint-Ouen possui caixa eletrônico e casas de câmbio. Visitas com guias podem ser feitas com reserva antecipada. Fica aberto o ano inteiro aos sábados, das 9h às 18h, domingos das 10h às 18h e nas segundas-feiras das 11h às 17h. Os horários podem ser modificados conforme a estação do ano.

A visita pode ser feita de diferentes formas:
– Autônoma, solicitando antecipadamente ao posto de informações turísticas uma visita audio-guiada em formato MP3, gratuito.
– Passeios organizados com datas fixas;
– Grupo, reservas antecipadas, com serviços sob medida;
– Duas associações de marchands informam igualmente sobre o brechó
e l’association Marché aux Puces (MAP);
– A empresa “The Antique Buying Services” oferece serviços de acompanhamento profissional especializado na compra de objetos de arte e antiguidades;

Visitar um brecho sem falar francês não tem graça né! Então comece já seu curso. Não sabe seu nível? Faça já o teste de nível de francês do IFESP, o melhor instituto de francês no Brasil.

Sueli Gutierrez