A França é realmente o país do amor?

A- A+

Quem nunca viu um filme em que alguém é pedida em casamento na frente da torre Eiffel? Ou um livro em que um casal se beija nas ruas românticas de Paris? ou ainda conheceu alguém que imaginava conhecer o amor da sua vida na França. Esses cenários embora não sejam o que todo mundo sonha, desperta querendo ou não, nossa imaginação romântica. Quais seriam as possíveis explicações por trás de todo essa fama?

 

Suas cidades românticas

Talvez toda essa imagem romântica que é atribuída a França venha devido à diversos fatores, um deles é o da beleza das suas cidades, sendo Paris, o centro das atenções, mas também possuindo outras cidades tão românticas quanto, como, por exemplo, Annecy. São tantas opções de cidades românticas em Paris que nós separamos algumas opções no nosso artigo, cidades românticas para conhecer na França.

A língua francesa é irresistível

Outro grande fator que contribui para que a França seja considerada um país romântico é justamente a língua francesa, que, para muitos, possui uma sonoridade romântica. Alguns atribuem ao “biquinho francês” esse romantismo, mas o fato é que, a própria fonética do francês contribui para que ele soe mais agradável para os ouvidos, já que nele predomina os encontros vogais e as vogais nasais.

 

Mas será que tudo isso é realmente verdade?

Em um dos nosso podcast, em que falamos de mitos e verdades sobre a França, Pierre, coordenador pedagógico do Curso de Francês Online, do grupo IFESP, diz que os franceses podem parecer mais românticos porque eles são mais intensos.

Aparentemente na França, não existe muito o conceito de “ficar”, então é muito possível que depois que duas pessoas se beijam elas continuem a sair e a se conhecerem, mesmo que o relacionamento não dure necessariamente muito tempo, para os franceses, ter a oportunidade de conhecer a pessoa é importante.

Atenção, isso não quer dizer que os franceses não tenham “relações” que duram só um beijo, mas sim que eles podem ser mais intensos e prolongar a relação.

 

Comentários