Edith Piaf, a encarnação da música francesa

A- A+

Que trabalho tão ambicioso esse; relatar a vida de Edith Piaf… Pois esta pequena parisiense viveu, de fato, uma vida fora do comum, quase extraordinária.

Edith Gionanna Gassion – seu verdadeiro nome – não provém de uma família comum: seu pai e sua mãe – respectivamente artista de circo e cantora de rua – lhe passaram com certeza seu amor por espetáculo, mas não deram muito amor paterno.

Em 1915, o pai está na guerra. Sua mãe já não pode cuidar dela. A pequena Edith Piaf é confiada a sua avó materna, uma bêbada notória vivendo em condições miseráveis. O futuro fica um pouco mais belo para a cantora quando sua outra avó, dona de uma casa de prostituição, a toma sob sua proteção. De fato, não é uma vida convencional… Contudo, Edith aparentemente foi mimada neste período alegre de sua vida, em que ela foi o centro de todas as atenções.

A juventude de Edith Piaf

No período entre guerras, Edith Piaf acompanha seu pai de circos itinerantes a espetáculos de rua. Ela o deixa no ano 1930, com 15 anos, para cantar. Dois anos depois, ela dá à luz uma pequena Marcelle que só sobreviverá dois anos… Um gerente de cabaré a encontra na rua e lhe dá a oportunidade de cantar. Foi ele que lhe deu seu famoso pseudônimo de “môme Piaf”, que foi sua marca durante toda sua vida. Ela começa a ficar cada vez mais confortável e a interpretar canções originais, compostas para ela pelos amigos. Seu primeiro disco faz sucesso imediatamente e a joga para o topo dos hits de sucesso franceses. No entanto, esta felicidade durou pouco, pois seu padrinho foi encontrado assassinado pela máfia. Esse evento sujou a reputação da estrela e a levou de volta às calçadas parisienses.

Esse revés do destino durou pouco, pois ela voltou rapidamente aos cabarés e quase instantaneamente a sua popularidade. Edith, agora Edith Piaf, não treme diante da ocupação alemã e não hesita em cantar sobre a resistência e até mesmo em hospedar artistas judeus.

A primeira canção que compôs, “La vie en rose”, fez um sucesso incrível no mundo inteiro. Edith Piaf adquiriu uma dimensão internacional, tornando-se uma imensa estrela. Seu amante na época, o pugilista Marcel Cerdan, morreu no voo que tinha pegado para encontrá-la. Mais uma vez a cantora não foi poupada e, para aliviar seu sofrimento (que também é físico, pois sua saúde é frágil), ela cai na morfina.

O período escuro do final de sua vida, repleto de numerosos amores e de sua dependência de morfina, também foi marcado por suas prestações fabulosas em Olympia. Edith Piaf passa a ser definitivamente uma lenda internacional, por sua vida digna de um romance negro, mas também e sobretudo por seu talento inesperado, fazendo com que suas canções ainda sejam assobiadas até hoje.

Para entender a letra das músicas de Edith Piaf começa por aqui!

 

La vie en rose – Edith Piaf

Comentários